Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Buongiorno

Buongiorno

Últimas constatações

Falemos de 2015.

Foi um bom ano. Ri muito e aprendi a dar valor às coisas mais simples que me fizeram esboçar muitos sorrisos. Senti-me feliz e isso é o mais importante. 2015 trouxe-me o que eu pedi, relembrar-me o que era ser feliz, e não podia estar mais agradecida. Nem tudo são rosas, e também houveram momentos de muita ansiedade, muitas incertezas e, claro, muitas dúvidas acerca daquilo que era capaz. Mas superei tudo com sucesso, e cada obstáculo que vai aparecendo vai-me fazendo acreditar mais em mim, acreditar que afinal se calhar até sou capaz. A ansiedade trouxe algumas lágrimas, mas no final o sentimento de gratificação e os resultados bem sucedidos fizeram esquecer toda a vontade de desistir e todos os "vou mandar isto à fava, é agora". Eu admito, eu tenho este graaaande defeito de perante uma adversidade achar que não sou capaz e pensar logo em desistir - valha-me o facto de geralmente não ser possível e lá tenho de lhe fazer frente... e as coisas até acabam por correr bem. Para 2016 quero tanto mudar isso, quero pegar naquilo que já fui capaz de conquistar e usar como motivação para ultrapassar os obstáculos. Acreditar que sou capaz. É uma das coisas que quero muito que 2016 me traga, confiança. 

 

Foi também um ano de mudanças, principalmente a partir de Setembro. Estreei-me no mundo do trabalho, e que valente abanadela que levei. Tinha muitos medos, típicos de pessoa que acha que não vai ser capaz, e depois de um verão tranquilo lá me desmoronei. Mas também me levantei, e hoje não podia estar mais contente com o lugar onde fui parar - mas claro, foi um processo moroso, e talvez só depois dois meses de lá estar é que me comecei a encaixar. Mas custou, a sério. Na primeira semana desejei muito ganhar o euromilhões para poder tudo à fava (claro!!), mas... ainda bem que não ganhei. De Setembro até agora cresci mais um pedacinho. Estamos sempre a aprender e a crescer, não é verdade? Em 2016 quero continuar a aprender e a crescer, ser melhor pessoa.

Ora, ser melhor pessoa. Tive uma ou outra situação que me fizeram refletir sobre aquilo que sou. Relembrar-me que tenho de ser menos egoísta e mais agradecida. Tenho tanto comparado com outros. E não falo de dinheiro. Tenho saúde, que ás vezes nem me lembro disso. A semana passada estive uma tarde no Hospital de S. João e saí de lá abalada, aquelas crianças e aqueles pais, só me perguntei "Como é que conseguem?". Tenho um tecto. Há uns tempos veio um sem-abrigo bater à nossa porta - eu não sabia de quem se tratava, mas era de noite, e disse à minha mãe para não abrir a porta. Ela foi abrir, claro, e ainda bem que foi. Deu-lhe comida e ainda o foi levar à estação onde ele queria passar a noite. Quando ela saiu desatei a chorar. Estes são dois momentos que vou guardar de 2015. Para 2016 quero mesmo aprender a dar mais valor ao que tenho, e partilhar mais também. Se o conseguir fazer tenho a certeza que me vou sentir bem mais feliz.

 

Depois disto, só me resta pedir para 2016 ser ainda melhor que 2015, porque pedir não custa. Peço para me sentir ainda mais feliz, ainda há muito caminho a percorrer. Para os que estão á minha volta serem felizes também, pois só assim faz sentido. Em 2016 quero caminhar mais, porque além de o meu rabo agradecer, também me faz bem á alma. Quero comer melhor, diz-se por aí que nos faz sentir melhor, e eu quero apostar nisso de me sentir bem. Quero aproveitar pequenos momentos e detalhes. Quero fotografar mais, ainda para mais agora que tenho uma máquina nova. Quero continuar a descobrir músicas em que me apetece fechar os olhos só para aproveitar aquela música (obrigada M80, e obrigada estágio por me obrigares a passar 8 horas em frente ao computador). Quero arrumar de vez os meus erros do passado - o que está feito não se desfaz, não é verdade? Resta-nos aprender e seguir em frente, e eu finalmente fiz a minha parte, agora quero deixar de me culpar e viver bem com isso. Quero passear mais, claro! Eu por mim passava a vida a passear, é o que me sabe melhor. Mas sim, quero descobrir novos lugares, e com sorte, conseguir ir à Madeira - quero muito!! Quero fazer boas escolhas profissionais, seja lá o que isso significa, só sei que quero sentir-me bem com aquilo que faço. Quero dedicar mais tempo aos meus amigos, (tentar) deixar a preguiça de lado e ir tomar aquele cafézinho, no final sei que vale a pena. E quero apostar em coisas novas, seja lá o que isso for também, mas preciso de me dedicar a algo diferente, e a par disto deixar de dar ao importância ao que os outros podem pensar. Acreditar mais em mim, lá está, é esta a chave para 2016. São muitos queros, mas vou dar o meu melhor para cada um deles.

Por fim, este espacinho. Deixei-o para 24588º plano, e agora não tenho a mesma vontade de retornar. Diverti-me muito por aqui, e embora não tenha escrito tanto como planeei, ri-me muitas vezes sozinha com aquilo que pretendia escrever (e não escrevi) e mesmo com os disparates que fui escrevendo - alguns até já me fizeram ter uma pontinha de vergonha na cara, mas enfim, foi o que me apeteceu no momento. Quando criei o blogue tinha necessidade de escrever algo, não sabia bem o quê, mas o intuito é que fosse de mim para mim. Não sei como foi aparecendo uma ou outra pessoa (pensei que ninguém descobriria se eu não desse a conhecer a ninguém ou não comentasse em lado nenhum). Agradeço a quem apareceu, a sério. Mas dou por terminado o blogue - já chega de promessas a dizer que volto, sei que são promessas que não vou cumprir. Não perdi o gosto por escrever disparates como é obvio, sinto é que não tenho dedicado muito tempo a isso ultimamente - por falar nisso, isto dava mais um quero para 2016. É provável que algures por 2016 volte a aparecer por aí com outro blogue, este já não é o primeiro. Mas, mais uma vez, quero algo diferente, não sabendo bem o quê, mas sei que não será só um espaço para depositar disparates e devaneios. Por enquanto, o assunto ainda está em banho-maria. E pronto, fico-me por aqui, já falei pelos dias todos em que estive ausente. Foi um prazer. Só me resta desejar que sejam felizes, e que 2016 seja o vosso ano!

Até um dia destes 

Constatações do dia de hoje #5

Passo um mês sem dar sinais de vida, é certo, mas há factos que não posso deixar de constatar por aqui. Ora então, hoje percebi que existem pessoas que se comportam de uma forma muito estúpida parvinha quando estão apaixonadas. Infelicidades que uma pessoa tem de assistir no comboio, é o que é.

Um lugar para dormir? Airbnb!

Durante estes últimos anos que tenho ido de férias com os meus pais, não conheci muitas realidades além do Custo Justo e do Olx, e quanto muito o Imovirtual. Felizmente tivemos sempre a sorte de encontrar pequenos achados lá para o meio e lá nos fomos entretendo. Este ano encontrei um sítio novo, o Airbnb.

 

Nunca tinha ouvido falar do site, por isso não sabia se era algo confiável. É que ao contrário dos anúncios habituais no Custo Justo e no Olx em que acordamos o pagamento com o proprietário (normalmente uma % antes e outra entregue apenas no check-in, de forma a garantir que não há cá aldrabices), no Airbnb temos que pagar imediamente após a reserva e o proprietário aceitar a mesma. Ora, logo por aqui ficamos um bocado de pé atrás, eu e os meus pais pelo menos ficamos. Mas depois de me informar devidamente, percebi que o dinheiro fica como que depositado no site até à nossa estadia, e só 24h após o nosso check-in é que o proprietário recebe a quantia, ou seja, caso haja algum problema logo à chegada é contactar o Airbnb. Juntando a isto, ajuda imenso os comentários deixados por hóspedes anteriores - partilham o que correu bem, o que correu mal, se a pessoa é ou não de confiança, pelo que ajuda-nos logo a perceber se aquele local é ou não uma boa escolha. Depois, para quem precisa de estadias curtas, até agora parece-me o site ideal para procurar. Este ano queríamos dividir-nos entre dois sítios numa semana, pelo que custos justos e afins normalmente só alugam à semana, e tornava-se difícil arranjar por 3 noites, por exemplo. Aqui toda a informação está detalhada, preços, o que contém, a estadia mínima, a disponibilidade do local, a localização.. aliás, comparando com o Homeaway, por exemplo, muitas vezes encontro lugares sem qualquer preço e lá tenho que andar a mandar mail a perguntar, no Airbnb isso não acontece. Além disso, tive a sorte de apanhar proprietários que foram muito eficientes a responder às minhas dúvidas (mas isto já não se pode generalizar).

 

Tudo coisas boas portanto. Na altura em que reservei fiquei tão entusiasmada que estive para escrever logo um post aqui sobre esta plataforma, mas depois achei que seria mais fiável escrever só depois de ir de férias - depois de tecer elogios ainda ficava a dormir debaixo da ponte, era o que era. Agora que já passou (buáaa) só tenho mesmo coisas boas a dizer. Primeiro, tive muita sorte com os sítios escolhidos - brevemente partilho aqui, quem sabe não seja uma opção para outras pessoas também. Correu tudo bem, não houve cá trafulhices e tive tecto para dormir. Também soube de pessoas que já utilizaram o site para reservar para o estrangeiro e correu tudo bem, o que me incentiva a um dia utilizá-lo também. Existem preços para todos os bolsos, casas para todos os gostos, podemos escolher entre espaços só para nós como partilhados com outras pessoas, em Portugal ou fora dele, acho mesmo que é uma plataforma muito bem conseguida.

 

O único contra talvez seja a existência de uma taxa de serviço acrescentada ao valor a pagar. Ou seja, se vamos pagar 50€ por uma noite, acrescenta uma taxa de serviço de 6€, por exemplo (a taxa de serviço é um valor variável). No fundo não é um valor assim muito elevado, mas pronto, se podermos poupar uns euritos, porque não? Por vezes também existem locais com uma taxa de limpeza acrescida, ou que cobra por hóspedes extra, mas isso está tudo bem esclarecido pelo proprietário e acaba por ser englobado no valor total a pagar. Assim de repente não vejo mais nenhum contra, fiquei fã. Tão fã, que tenho planeado ir um fim de semana a Lisboa e já tratei de reservar uma noite lá novamente. Por isso, se precisarem de procurar um sítio para passarem uma noite (ou mais) fora, lembrem-se de dar uma espreitadela ao Airbnb, vale a pena.

Ora então voltei.

Dois meses depois volto a escrever qualquer coisinha. Para trás fica uma das melhores fases dos últimos tempos. Um verão de equilíbrio. Dias tranquilos em que procurei aproveitar cada pormenor ao máximo. Fui-me desligando do mundo tecnológico também, e o blogue pagou as favas. Mas soube-me bem, muito bem aliás, pena ter sido tão curto. Portanto meus caros, a palavra férias já ficou para trás há algum tempinho (choremos!). Agora por aqui andamos numa outra fase, a descobrir uma rotina toda ela nova, a rotina da Patrícia estagiária, e sim, é muito estranho. 

 

Mas bem, coisas mais felizes, resolvi voltar. Pronto, sinceramente, fui obrigada a voltar, preciso de um escape para a minha rotina. Nunca pensei que custasse tanto dizer que voltei, ando a adiar isto há vários dias. 

 

Pelo meio fica uma tentativa falhada de tornar o blogue mais catito. Eu gostava de não ser uma naba nesta coisa dos blogues, mas sou, nada a fazer. Resta-me ir tentando, aos poucos, arranjar o estaminé, mas aos poucos! Daí que não estranhem a desengonçada que para aqui vai..

 

E pronto, é isso, voltei.

Das férias

Se vocês soubessem a quantidade de vezes que já aqui vim, dia após dia, com a intenção de escrever algo... mas acabo sempre por fechar a página sem digitar quaisquer palavras. Acho que é da preguicite típica das férias, não apetece fazer nadinha, mas vá que hoje decidi contrariar isso.

Para trás ficam os posts em que implorava por vontade para trabalhar e contava minuciosamente os dias que faltavam até poder gritar férias. Bem, passados 16 dias eis que já estou em modo que a gozar as minhas ricas, e merecidas, férias. Durante estes dias já fui acumulando um tonzinho jeitoso na minha pele (vá lá que o sol não fugiu assim que fiquei de férias, fico deveras agradecida), já tive uma daquelas belas noites de verão em que uma pessoa dança até de madrugada, literalmente, e até o bom tempo esteve do meu lado (por aqui é um fenómeno raro essa coisa das noites quentes, pelo que só posso constatar que está tudo alinhado para me proporcionar uns dias jeitositos), já fiz assim uma bela duma caminhada de 25km por aqueles passadiços que me colam à janela em todas as minhas viagens de comboio, acho que já revi toda a gente que não via há anos (dado o tempo de clausura bem que pareceram anos), já me pus a par das novidades todas do momento, já vi um filmezito num daqueles dias de preguicite e também já arranjei uma seriezinha que vai ser devorada entre hoje e amanhã, portanto, a vida corre bem, estão a ver? 

Coisas de gaja

Hoje era um daqueles dias em que vinha eu da faculdade cheia de vontade de não fazer nada da vida e ir até à praia dar o ar da minha graça. Isto era tudo muito bonito, se eu tivesse a depilation em dia... isto de ser mulher é uma valente merda, sempre condicionada pela porcaria dos pêlos. Fica aqui registado, deixem-me abandonar esta vida de estudante e passar à categoria das pessoas trabalhadoras que as primeiras poupanças serão mesmo para uma depilaçãozinha definitiva. É que estes filhinhos da mãe (que se calhar até sou eu, visto bem as coisas) têm o dom de me tirar do sério, especialmente no verão. Ora, uma pessoa não é de ferro, e os moços já andam ali a atingir o meu limite da paciência. Ah, e já agora, assim como quem não quer a coisa, acabei a tarde a dar o ar da minha graça... no sofá a dormitar. Melhor que nada.

Pondo as novidades em dia

A passar da uma e meia da manhã, vinha só registar que finalmente acabei o meu projeto de tese, aquela dor de cabeça dos últimos tempos. Pelo meio houveram boas notícias durante estes dias, soube que vou ter direito a uma renumeraçãozinha pelo meu estágio no próximo ano (iupiii), recebi a minha primeira nota e foi bastante boa para aquilo que eu esperava, portanto para já temos CO arrumado com 17, apresentei o meu projecto de tese na segunda e correu bem, à tarde tive uma reunião com o meu orientador de estágio e também correu benzito.. algumas perguntas que ele me fez fiquei sem saber o que dizer, mas como a tropa manda desenrascar, lá saiu qualquer coisa. E no final disto tudo, percebi que com calma tudo se faz, foram várias as vezes que paniquei à custa do sr. projeto mas no final senti-me super feliz por ver o meu esforço recompensado. Neste momento estou em contagem decrescente para as férias, ainda que com três trabalhos pela frente, literalmente já sem neurónios, com uma moca de sono em cima mas numa fase muito bem disposta, por isso venha lá isso! Agora convém ir dormir que amanhã tenho que estar a acordar às 7:30 para ir para a faculdade começar a fazer mais outro trabalho, da minha cadeira ódiozinho de estimação deste semestre, o meu querido Nvivo. É bom que não me estrague a minha boa disposição do momento..

Quanto mais conheço as pessoas, mais gosto de animais.

Muitas vezes mete-me nojo viver neste mundo, hoje é só mais uma delas. Acabei de esbarrar com esta bela notícia e ainda estou a tentar digerir o que vi. Eu tenho um amor enorme por animais, mas os gatos têm um lugar especial no meu coração. Já estive para escrever muitas vezes sobre eles, sobre os meus quatro amores de quatro patas, mas ainda não me dediquei a isso, e também não vai ser agora. Neste momento só me apetece dizer palavrões até. Revolta-me que hajam tantos atrasados mentais neste mundo, e estes aqui tão perto de nós.. vai-se a ver e afinal não são só os chineses, não é verdade? O meu maior desejo é que seja feita justiça. O meu outro desejo, ainda maior mas inconcretizável, é que no próximo ano cumpram a "tradiçãozinha" com cada um de vocês, desde os que tiveram esta fantástica ideia até aos que assistiram impávidos e serenos.  Espero que no próximo ano cada um de vocês esteja lá em cima com o rabinho a arder. Cambada de anormais.

Lamento, mas se há coisa para a qual não tenho paciência é para seres descerebrados. E lamento também, mas nestas coisas sou muito radical, quadrada, o que me quiserem chamar. Mas para mim, não há nada que justifique fazer mal a um animal, são sem dúvida os melhores seres que eu conheço, e cheira-me que por muitos anos que viva não vou conhecer melhor. E vou ficar por aqui porque tenho mesmo de ir estudar, porque se exteriorizasse toda a minha raiva em palavras não fazia mais nada o resto da noite.

Eu e os signos

Quando me lembro gosto de ir cuscar o meu signo. Não é que leve aquilo muito a sério, mas de vez em quando vou lá ver e, sorte das sortes, a coisa até parece que foi desenhado para mim. Depois também há outros dias que vou ler aquilo e penso que deve ser para qualquer sagitário no mundo menos para mim, nada a ver com a minha vidinha. Claro está que já desisti de ler a parte amorosa porque NUNCA está de acordo, são sempre coisas muito à frente para a minha pacata vida. Mas pronto, assim me vou entretendo. Hoje reparei na chamada "Hora Protegida" (não me perguntem do que se trata porque também não sei ao certo, suponho que seja uma hora em que posso cair à vontade que não há risco de partir uma perna ou assim). Acho muito fixe que a minha hora protegida coincida com a hora em que estou descansadinha na cama a dormitar. É que realmente, a menos que me caia o tecto em cima, não me parece que me possa acontecer algo de maior (se bem que às vezes dá-me uma dor da breca do carago)... Vá meus senhores, preciso é de horas protegidas quando estou fora da cama, está bom?